Técnicas de Memorização: 13 Dicas para Estudos, Concursos, Provas e Livros

Conhecer as melhores técnicas de memorização é de suma importância para qualquer um.

De conformidade com isso, vale lembrar que, desde o ensino básico até a vida adulta, estimular essa capacidade é fundamental para absorver novas informações com qualidade e produzir resumos rápidos e úteis.

Sob o mesmo ponto de vista, a habilidade de processar esses dados e chegar a conclusões razoáveis depende, em grande medida, de uma boa memorização e da aplicação de técnicas.

Posto que isso auxilia na resolução de diversos problemas do dia a dia, muitas pessoas buscam, frequentemente, novos métodos e detalhes acionáveis – como você verá neste conteúdo.

Pensando nisso, apresentamos, ao longo deste artigo, algumas das melhores (e comprovadamente eficazes) técnicas de memorização, a fim de ajudar você a otimizar a sua produtividade e aumentar o ritmo de aprendizado, além de obter melhor qualidade. Boa leitura!

Qual a melhor técnica de memorização?

A melhor técnica de memorização é aquela que mais se adéqua às suas necessidades gerais e, também, às suas especificidades nos estudos.

Logo, não há uma resposta definitiva a essa questão. O melhor a fazer é tentar várias técnicas, colocando-as à prova, em todos os detalhes, até encontrar o mais apropriado.

Memorização com encadeamentos, acrósticos e acrônimos

Acrônimos são as palavras compostas por letras que, por sua vez, representam outras palavras ou conteúdo. Um bom exemplo pode ser encontrado na ferramenta de gestão “Conhecimento, Habilidade, Atitude”, também chamada de “CHA”.

Uma vez que os acrósticos são as frases compostas pelos conceitos cujas primeiras letras são as dicas para o que deve ser lembrado, não desperdice essa forma de estudo.

Na hora da prova, caso deseje memorizar nomes de bairros como Mooca, Moema, Brooklin e Carrão, poderá usar uma das melhores técnicas e gravar a seguinte frase: “Minha Mãe Bebia Café”.

Posteriormente, você poderá considerar o encadeamento muito útil aos seus estudos.

Nesse meio tempo, para reter os elementos na memória em uma determinada ordem, basta criar uma frase no estilo narrativo com cada conteúdo. Primeiramente, o mais indicado (entre as técnicas desse tipo) é que cada um dos itens “puxe” os demais, mediante a associação do conhecimento.

Para memorizar com este estudo, nessa ordem, os termos “menino”, “panela”, “seis”, “melão” e “amarelo”, por exemplo, elabore, na hora da prova, uma sentença do tipo: “o menino vendeu uma panela pelo preço de seis reais a um plantador de melão amarelo”.

Ainda mais relevante: a estrutura do encadeamento e a da associação confere lógica às ideias que, de outro modo, ficariam avulsas, facilitando a gravação, em seus estudos, de uma ordem predeterminada na memória.

Interessante conteúdo, não é mesmo?

Memorização com associações visuais e/ou engraçadas

O bom humor e as imagens podem se converter em técnicas excelentes para memorizar os mais variados tipos de conteúdos. Isto é, para ter êxito em uma prova com essa técnica, será necessário deixar a timidez de lado, visando liberar, ao máximo, sua criatividade.

Vale a pena aproveitar essas dicas e relacionar os conteúdos aprendidos às situações mais engraçadas da sua rotina. Como material, tente usar trocadilhos e jogos de palavras, associar informações abstratas – (como fórmulas ou nomes) – a desenhos, cenas ou ícones, dentre outras estratégias.

Dessa forma, tenha em mente que o mais importante é, de fato, deixar a sua imaginação agir como uma importante aliada da memorização. Enfim, há muitos indivíduos que possuem uma memória fortemente visual.

Analogamente, para eles, uma técnica de memorização – para ser eficiente – deve combinar imagens com o conteúdo a ser fixado.

Todavia, se você acabou de ser apresentado a alguém, escolha uma parte do corpo ou atributo físico para associá-lo ao seu nome, fortalecendo o seu mapa mental e, também, o seu material de estudo.

Antes que se dê conta, a grande vantagem estará em converter uma informação abstrata (como nome, datas ou conceito) em uma forma concreta.

A saber, pode caprichar na sua criatividade: imagens mentais vívidas, coloridas e ricas são bem mais fáceis de reter na memória.

Saiba distinguir as melhores técnicas de memorização para você

Há formas alternativas, além dos métodos presentes neste artigo, de absorver conteúdos.

Semelhantemente, é altamente recomendável conhecer o máximo possível do assunto, a fim de saber como distinguir as técnicas que se adéquam às suas características e a parte relativa às necessidades específicas do seu mapa mental.

Procure identificar e pesquise acerca dos métodos que melhor combinam com seus objetivos, a sua rotina de estudos e o seu bem-estar. Isto porque os processos de aprendizagem e absorção de informação são profundamente diferentes para cada indivíduo.

Se acaso ainda se sentir perdido em meio às inúmeras possibilidades de assunto, não se esqueça de que existe uma regra válida a todos: apenas um cérebro descansado e saudável será capaz de memorizar informações e conteúdo.

Com a finalidade de assegurar essa capacidade, você deve seguir, com afinco, a sua rotina habitual de estudos. Com efeito, nunca renuncie à sua saúde mental e física. Ao agir assim, será capaz de reter qualquer informação.

Treine seu cérebro e mantenha-se concentrado nas técnicas de memorização

Durante os estudos, na sua época de escola, um dos maiores desafios sempre foi manter a concentração no conteúdo ou assunto ensinado, não é mesmo?

Igualmente aos estudantes, na vida adulta, para conquistar essa meta, é crucial treinar seu cérebro para deslocar o foco para as atividades do momento, evitando distrações geradas por pensamentos relacionados a possibilidades futuras ou a acontecimentos passados.

De acordo com as melhores práticas de ioga, você pode tentar o seguinte exercício: antes de começar a estudar, reserve, pelo menos, cinco minutos, para se concentrar no seu ritmo respiratório.

Primordialmente, lembre-se de contar “um” para cada inspiração e “dois” para cada expiração. Por consequência, deixe os seus pensamentos fluírem sem, no entanto, se apegar a nenhum assunto. Em conclusão, essa prática se tornará, com o tempo, mais fácil.

Assim sendo, você conseguirá educar sua mente para focar em um objeto de atenção a cada vez. Do mesmo modo, o seu aprendizado será, também, potencializado, eliminando, até mesmo, a necessidade de ter que ler várias vezes um mesmo texto antes de absorvê-lo por completo.

Fuja das “decorebas” em sala de aula ou fora dela

Muitas pessoas ainda acreditam que a memorização é sinônimo de “decoreba”.

Como resultado, é vital desmistificar esse pensamento baseado na mera quantidade. Dessa forma, cumpre ressaltar que a tal “decoreba” é somente uma reprodução – inconsciente e automática – de uma ideia concentrada sobre um objeto específico.

Aliás, para compreender isso basta lembrar que aprender certas fórmulas matemáticas visando passar no vestibular é o exato oposto de uma boa técnica de memorização.

Ao agir assim, você pode solucionar questões presentes nas provas. Porém, rapidamente se esquecerá da maior quantidade dos conteúdos que estudou.

Antes de mais nada, a memorização pode ser entendida como o potencial de absorver informações aprofundadas, partindo de elevados níveis de concentração e atenção ao longo dos seus estudos.

Desde que intencione memorizar corretamente, você terá que dedicar boa parte de seu tempo e investir, ao máximo, sua força de vontade. Somente ao proceder assim, será possível entender os seus objetos de investigação e/ou estudo.

Exercite seus conhecimentos e técnicas de memorização

A fim de memorizar os novos conteúdos, uma ótima estratégia é colocá-los em prática por meio das técnicas de memorização.

Só para exemplificar, resolva listas de exercícios, responda questões de provas aplicadas em anos anteriores e participe de simulações.

Essas iniciativas podem ajudar a aprimorar seu aprendizado. Assim, recorra a atividades capazes de exercitar seu raciocínio e memória, do modo mais divertido e leve possível.

Inegavelmente, jogos com perguntas e respostas, problemas que envolvam o raciocínio lógico e as palavras-cruzadas são ótimas alternativas de exercícios.

Reflita acerca do conteúdo que já aprendeu em suas técnicas

O processo de aprendizagem requer grandes doses de reflexão dos estudantes, bem como diversos esforços adicionais, de modo que os conteúdos possam ser devidamente memorizados.

Ademais, um erro comum, por exemplo, consiste em considerar que em somente uma leitura será possível gravar todos os conceitos abordados em um texto.

A princípio, é interessante efetuar mais leituras, em diferentes momentos, reservando alguns momentos para pensar acerca das informações de mundo recebidas do texto.

Mesmo que você já saiba como realizar esse exercício, confira algumas boas sugestões que poderão ajudá-lo. Ao ler, tente responder as seguintes questões:

  • Qual é o objetivo dos autores?
  • Qual é o público-alvo deste texto?
  • Qual é seu contexto ou época?
  • Quem são os autores ou autor?

Decerto, a partir desse breve roteiro, você conseguirá refletir de modo mais consciente a respeito de seu aprendizado.

Por causa disso, adote uma postura crítica, tentando evitar a passividade e fixar os assuntos com sua experiência. Sobretudo, a consequência imediata, por exemplo, é a elevação do seu rendimento na escola ou no trabalho.

Organize seu espaço físico: essa é a melhor ajuda ao cérebro humano

Com toda a certeza, outro modo de turbinar a sua memorização, ou seja, uma das técnicas de memorização, é realizar a organização dos seus locais de estudo. Ou por outra, eles devem ser uma espécie de “extensão da sua mente”, ou seja, um espaço dedicado à calmaria.

Com o intuito de garantir o sucesso da memorização, reserve um local especial para essas atividades, mantendo-o sempre iluminado e limpo.

Só para ilustrar, tente se afastar das redes sociais, do celular, assim como de gente ou de quaisquer aplicativos que possam desviar sua atenção da meta principal e das palavras-chave.

As notificações das mensagens que você recebe são capazes de quebrar o seu ritmo, provocando o esquecimento. Ainda assim, se isso ocorrer, você se surpreenderá lendo e relendo os mesmos trechos sem, contudo, poder reproduzi-los pouco tempo depois.

Associe o que já conhece aos novos aprendizados

Em primeiro lugar, já ouviu muita gente dizer que, na idade adulta, o único modo de aprender algo novo é associá-lo ao que já sabe?

A lógica que embasa essa perspectiva é: associar uma nova ideia a algo que está presente em sua rotina de estudos (seja uma imagem, um livro ou um filme) é um meio de incluí-la no seu domínio cognitivo de curto prazo e ser bem-sucedido em concursos.

Por certo, o processo de aprendizagem é conectado e contínuo. Logo, é uma tendência natural, pois essa fixação ocorre quase que inconscientemente. Para que a utilização desse recurso seja positiva, evitando o esquecimento, empregue-o de modo consciente.

Nesse sentido, ao se dedicar a aprender uma nova linguagem ou idioma, será mais fácil memorizar quando associar os termos estrangeiros àqueles usados em sua língua materna.

Uma das melhores dicas: fique atento aos sinais de seu corpo

Respeitar os momentos de descanso e ter boas noites de sono é um processo indispensável para memorizar conteúdos e superar o esquecimento durante concursos.

Com o fim de elevar o seu rendimento, você não deve exagerar ou “forçar a barra”.

Já que o cansaço excessivo compromete a aprendizagem e sua saúde, fique sempre atento aos sinais de seu corpo.

Bem como quem trabalha de dia e tem maior disponibilidade no período noturno, você deverá encontrar formas de buscar intervalos (apoiar-se na tecnologia é uma boa ideia) antes de começar os estudos.

Desse modo, quando chegar em sua casa, faça atividades físicas, alimente-se bem, descanse, tome um bom banho e tudo o que for necessário para que o seu organismo tenha as informações necessárias para entender que um ciclo se interrompeu.

Determine uma dinâmica de estudos

A memorização requer assiduidade e comprometimento. Entretanto, não é indicado tentar apenas quando você tiver tempo livre ou uma vez a cada semana.

Contudo, a dinâmica de estudos pode ser comparada a um atleta profissional que busca a medalha de ouro: é indispensável disciplina e treinamentos constantes para atingir bons resultados.

No momento em que você decidir alcançar o melhor aproveitamento possível em seus estudos, elabore um cronograma estruturado, reserve horários determinados a cada conteúdo e concentre-se, com tudo, durante os períodos destinados à sua preparação.

Quando tal coisa se tornar um hábito, sua concentração também poderá ser ampliada.

Certamente, é recomendável reservar algum tempo de descanso. Caso contrário, sobrecarregará seu cérebro, impedindo-o de absorver devidamente os conhecimentos adquiridos e ter bons resultados.

Inesperadamente, quando estudamos para concursos ou com qualquer outro objetivo, temos a tendência de tencionar os ombros e o pescoço, além de permanecermos sentados.

Conforme recomendado por especialistas como Renato Alves, Tony Buzan e Hermann Ebbinghaus (psicólogo alemão), para evitar esses desconfortos, faça alongamentos regulares, visando a estimular a livre circulação da energia acumulada no seu corpo e se conectar com tudo ao seu redor.

Elabore esquemas e resumos para concurso público

Para aprender algo, é necessário transcender a leitura (incluindo a desse post).

Isso significa que você e o seu cérebro têm que assumir um papel ativo diante do conteúdo: promova brainstormings, mapas mentais, resumos e também pode fazer anotações.

Bem como outros esquemas – use a sua imaginação para encontrar os mais adequados – esse método o ajudará a sistematizar os conceitos expostos, facilitando a revisão das informações já abordadas e tudo o que você estudar.

Por conseguinte, ensinar para aprender é outro método eficaz, servindo para incrementar as habilidades do cérebro e potencializar os mapas mentais.

Assim também, você pode reunir as suas considerações e fazer anotações em um post, dando uma aula sobre o tema (mesmo que seja para um estudante imaginário) e dando um sentido prático a cada um dos seus resumos.

Principalmente, quando você verbaliza as informações e os conhecimentos adquiridos, também consegue fixá-los melhor na sua mente. De maneira idêntica, a partir da utilização dessa tática (especialmente com mapas mentais), será bem mais simples notar os pontos que ainda devem ser revistos ou que geram dúvidas.

Edifique o seu “palácio da memória humana”

Conhecido, também, por “método de loci”, essa ferramenta de memorização já era utilizada na Grécia Antiga.

Portanto, de acordo com a mitologia, Simônides de Ceos, poeta helênico, precisava usar o cérebro e identificar corpos de indivíduos que morreram em decorrência do desabamento de um certo palácio.

Surpreendentemente, ele se lembrava da localização exata de cada pessoa. Isso o permitiu “reconhecer” todos os cadáveres desfigurados. Ainda que a técnica consista em utilizar sua memória especial para gravar listas, fatos ou nomes, o objetivo é a criação de um local imaginário.

Em contrapartida, você deve “visualizar em seu cérebro” – nesse palácio ou casa – os móveis existentes em cada um dos cômodos, associando-os a uma determinada memória de longo prazo (inclusive, quando ela faz referência a uma pessoa).

Logo após a leitura deste post e o aprofundamento nesse método, terá em suas mãos uma das melhores técnicas de memorização.

Milhares de Livros em Promoções Diariamente na Amazon! Se você ama ler, não pode perder.